bbrbet mines -O Ministério da Cultura (MinC) vai formalizar, nesta quinta-feira (11), a regulamentação da Lei Paul

Lei Paulo Gustavo é bbrbet mines -regulamentada em sessão extraordinária

O Ministério da Cultura (MinC) vai formalizar,éregulamentadaemsessãoextraordinábbrbet mines - nesta quinta-feira (11), a regulamentação da Lei Paulo Gustavo (Lei Complementar nº 195 /2022), que prevê mais de R$ 3,8 bilhões para serem investidos no setor cultural. O processo será firmado durante uma cerimônia em Salvador (BA), na Concha Acústica do Teatro Castro Alves, com a presença da ministra da Cultura, Margareth Menezes, e do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Continua após publicidade

Na ocasião, o petista vai assinar o decreto que regulamenta a nova legislação. A norma nasceu a partir do Projeto de Lei Complementar (PLP) 73, apresentado por um conjunto de senadores em dezembro de 2021. O texto foi aprovado pelo Congresso Nacional em março de 2022, a contragosto do então governo Bolsonaro.

Em abril do mesmo ano, Jair Bolsonaro (PL) vetou a proposta alegando contrariedade ao interesse público, mas o veto foi derrubado posteriormente por deputados e senadores, o que fez com que a lei entrasse em vigor. Apesar disso, o texto ficou sem regulamentação, o que dependia do Poder Executivo federal, que criou um grupo de trabalho em fevereiro deste ano o assunto.

A proposta de criação da lei surgiu após forte clamor de artistas e outros trabalhadores do ramo, que demandaram um auxílio estatal para socorrer o setor. Durante a pandemia, o segmento foi o primeiro a paralisar as atividades e um dos últimos a retornarem à ativa, o que fez com que a categoria acumulasse uma série de prejuízos socioeconômicos. Por essa razão, o Legislativo foi pressionado a incluir os trabalhadores do ramo entre as políticas públicas que previam auxílio a setores afetados pela crise da covid-19.

Recursos

O texto aprovado pelo Congresso prevê que os R$ 3,8 bilhões deverão ser retirados de recursos federais e repassados a estados e municípios para fomentar ações e produtos culturais. Segundo informações do MinC, em uma distribuição por níveis federados, serão R$ 2 bilhões destinados aos estados e R$ 1,8 bilhão aos municípios. Os valores serão liberados após os gestores locais apresentarem planos de ação que deverão ser analisados e aprovados pelo MinC para que o dinheiro seja liberado.

Ao todo, serão cerca de R$ 2,7 bilhões para o setor audiovisual e R$ 1,065 bilhão para diferentes segmentos e ações. A primeira fatia sairá do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) e a segunda do Fundo Nacional de Cultura (FNC).  

A norma aprovada pelo Congresso e agora executada pelo governo federal é uma forma de movimentar a economia do setor, incentivando a cadeia produtiva da cultura, que, em 2020, primeiro ano da pandemia, ocupava 4,8 milhões de brasileiros. O número correspondia a 5,6% da população ocupada do país, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).  

Edição: Thalita Pires


Relacionadas

  • Câmara aprova Lei Paulo Gustavo, que destina quase R$ 4 bi para o setor cultural

  • Lei Paulo Gustavo: a contragosto do governo, Senado aprova amparo de R$ 3,8 bi para cultura

  • Gestão da cultura do governo Bolsonaro é considerada a pior das últimas décadas, dizem artistas

Outras notícias

  • Argentina: funcionários ocupam Ministério da Ciência contra cortes de Macri

  • Programa de incentivo à cultura em SP está com inscrições abertas até agosto

BdF

  • Quem Somos

  • Parceiros

  • Publicidade

  • Contato

  • Newsletters

  • Política de Privacidade

Redes sociais:


Todos os conteúdos de produção exclusiva e de autoria editorial do Brasil de Fato podem ser reproduzidos, desde que não sejam alterados e que se deem os devidos créditos.

Visitantes, por favor deixem um comentário::

© 2024.cc777sitemap